Política

12/06/2019 - 01:10:12

Walber Virgulino admite que já adotou mesma postura que Moro enquanto delegado da PC da PB

“A gente vê apenas um factoide político criado pelo PT para inocentar um marginal. Lula vai continuar preso, o procurador e Moro continuarão sendo admirados pelo povo”, emendo.

Autor: Da Redação

 Deputado estadual novato na Assembleia Legislativa da Paraíba, o delegado Walber Virgulino, do Patriotas, revelou, nesta terça-feira (11), durante entrevista, que já adotou a mesma conduta do juiz Sérgio Moro e do promotor Deltan Dallagnol ao conversar, previamente, sobre processos em curso com os magistrados responsáveis. Ele disse que essa conduta é normal e acontece em todo o Brasil.

Walber Virgulino admite que já adotou mesma postura que Moro enquanto delegado da PC da PB

“As conversas por si só não dizem nada. Isso acontece em todo Brasil. Eu mesmo, na qualidade, muitas vezes o juiz diz – ei, está na hora de deflagrar a operação, você já pediu grampo de mais, ou você já juntou prova demais. Isso é normal essa discussão entre promotor e delegado, juiz e promotor, isso não tem nada de anormal, isso não tem nada de ilegal”, admitiu.

Para o parlamentar, que é defensor do presidente Jair Bolsonaro (PSL), o que está ocorrendo é uma tentativa do Partido dos Trabalhadores de ‘inocentar um marginal’.

“A gente vê apenas um factoide político criado pelo PT para inocentar um marginal. Lula vai continuar preso, o procurador e Moro continuarão sendo admirados pelo povo”, emendo.

O parlamentar ainda aproveitou para cobrar uma punição a responsáveis por Hacker mensagens

“A gente sabe que o PT queria tudo, para transformar marginal em homem de bem, e eles não têm argumentos, principalmente argumentos jurídicos. O que a gente vê e viu foi que esse raqueamento das conversas de Moro e Dallagnol foi um crime, um atentado não só individual às duas autoridades, mas um atentado à soberania brasileira. Isso tem que ser punido de forma severa, é uma afronta a democracia, uma afronta à segurança jurídica”, arrematou.

Diferentemente da postura de alguns juristas, a conduta do ex-juiz federal Sérgio Moro foi errada, já que, nesses casos, é necessário que a parte julgadora mantenha a equidistância necessária do processo para julgar com a maior imparcialidade possível.

Fonte: PB Agora