Paraiba

14/11/2017 - 18:29:38

Gêmeos diabéticos da PB fazem tatuagem simbolizando a doença e têm 'vida normal'

Lucas Lisboa e Maria Eduarda Lisboa têm ainda outra irmã gêmea que não nasceu com a doença.

Autor: Redação do Portal

Dois irmãos gêmeos de João Pessoa, que nasceram com diabetes tipo 1 - concentrada em 5 a 10% das pessoas com a doença, segundo a Sociedade Brasileira de Diabetes -, trazem tatuado no antebraço esquerdo a identificação da doença. Este 14 de novembro marca o Dia Internacional da Conscientização do Diabetes.

Gêmeos diabéticos da PB tatuaram indicação da doença no antebraço (Foto: Gabriel Costa/G1)

A diabetes tipo 1 ataca células, fazendo com que pouca ou nenhuma insulina seja liberada para o corpo, deixando toda a glicose no sangue em vez dela ser usada como energia, segundo a SBD. Mesmo com essa característica, ambos garantem que levam uma “vida normal”.

Maria Eduarda Lisboa e Lucas Lisboa, ambos com 19 anos, na verdade são trigêmeos. Giovanna Lisboa também nasceu no mesmo 13 de agosto de 1998 que eles, mas, mesmo com a grande chance de nascer diabética, ela nunca apresentou nenhuma alteração na insulina.

Eles herdaram o diabetes do avô paterno que tinha o tipo 2 da doença - que é a presente em 90% dos diabéticos e significa que o corpo não utiliza adequadamente ou não produz insulina suficiente para controlar a glicemia, de acordo com a Sociedade Brasileira de Diabetes. 

Giovanna Lisboa, Lucas Lisboa e Maria Eduarda Lisboa são trigêmeos mas apenas dois têm diabetes (Foto: Lucas Lisboa/Arquivo Pessoal)

Sobre uma “vida normal”, Eduarda e Lucas ressaltam que a única restrição que têm no dia a dia é quanto à alimentação, que deve ser controlada. Os casos de dificuldades que os irmãos Lisboa lembram são de pelo menos dois anos atrás.

Lucas conta que em março de 2015, durante a Semana Santa, enquanto estava em Bananeiras, cidade do Agreste da Paraíba, acabou deixando o medicamento dentro do carro sob o Sol e ele acabou estragando.

“Continuei comendo normal e tomando a insulina, mas ela não estava funcionando e minha taxa [de glicose no sangue] começou a aumentar. Entrei em cetoacidose diabética [diabetes não controlado, aumento de açúcar e ácidos no sangue] e tive que ser transportado em uma ambulância para João Pessoa para ser tratado. Foi um quadro bem grave que tive”, diz.

Já Maria Eduarda recorda que o último caso grave que teve foi há três anos, quando precisou ser internada pois estava com diabetes descompensada.uando sente que começa a ter hipoglicemia na rua, ela diz que “é fácil encontrar algo para comer que suba rápido a glicemia”.

Entre risos, Eduarda afirma que “sempre tem que cuidar” do irmão, mas foi ele quem teve a ideia de fazer a tatuagem primeiro. “Há quatro anos fiz a tatuagem no antebraço e depois ela imitou”, conta Lucas.

Fonte: Redação do Portal Vale do Piancó Notícias com G1