Cinema

08/05/2014 - 06:55:30

Cidade de Manaíra sedia festival de cinema

A programação do evento começou na segunda-feira (5) e foi até o dia 7 de maio.

Autor: Redação do Portal

Durante três dias a cidade de Manaíra foi o centro das atrações, com a exibição do Festival de Cinema "É Tudo Improviso". Foi uma oportunidade ímpar para autores, atores, cinegrafistas e produtores mostrarem seus talentos para o Brasil e para o Mundo. A programação do evento começou na segunda-feira (5) e foi até o dia 7 de maio. Um dos maiores destaques foi para os autores e produtores do filme “A Botija II”, Saturnino Pereira e Hylda Alves.

No festival foram exibidos os filmes: Zé Lezin e Zé Pretin, de José Sawio; Lampião em Taperoá, de Hebertt Cavalcanti, Botija II – O Homem que Enganou a Morte, de Saturnino Pereira e Hylda Alves, Nove Marmanjos e o Rabo da Cabrita, de Ivanildo Gomes e Procurado, de Armando Venâncio (Bone), todos produzidos no interior do estado da Paraíba.

No primeiro dia foram exibidos os filmes “Botija II – O Homem que Enganou a Morte e Zé Lezin e Zé Pretim. No segundo dia foram exibidos os filmes Lampião em Taperoá de José Sawio e A Picada Mortal 3, de José Benedito (o homem marimbondo). Já na quarta-feira(8), foi a vez dos filmes Nove Marmanjos e o Rabo da Cabrita, de Ivanildo Gomes e Procurado, de Armando Venâncio (Bone).

Em contato com a reportagem do portal Vale do Piancó Notícias, o produtor do filme “A Botija II”, Saturnino Pereira, que cravou o seu 8º filme produzido, mostrou-se feliz em poder trazer o cinema para sua cidade Manaíra, mas por outro lado, lamentou a falta de incentivo para as produções. Segundo ele, após a exibição do Festival do Cinema, precisamente, dia 12, ele e outros produtores irão participar de uma série de entrevistas em algumas emissoras de rádio da cidade de João, ocasião em que, tentarão incentivos financeiros para seus projetos.

“Eu me sinto muito feliz em poder trazer o cinema para a minha cidade. Só nos faltam incentivos, para nossas produções. Muitas vezes, só trabalhamos nas gravações nos finais de semana, pois temos outras obrigações, durante a semana. Como não temos incentivos, ganhamos durante a semana, para gastarmos nas nossas produções”, ressaltou Saturnino Pereira, autor e produtor de oito filmes, entre eles “A botija II”.

Saturnino Pereira, ao lado de Hylda Alves

De acordo com o coordenador Valdir Santos, a intenção é fazer circular a produção de fazedores de filmes na Paraíba, valorizando o trabalho e preservando a integridade e a criatividade de cada um.

Para o curador e idealizador do "É Tudo Improviso", Wills Leal, que é presidente da Academia Paraibana de Cinema, essa é uma oportunidade de se constatar o espírito criativo e, consequentemente, inteligente do povo paraibano, mais precisamente daqueles que vivem no interior.

“Com a cara e a coragem, eles dão uma demonstração de arte vinculada aos valores mais autênticos da nossa realidade. E é exatamente em busca de interpretar esse fenômeno que se montou e se operacionaliza esse projeto”, destacou.

Outro autor e cinegrafista da cidade de Manaíra, que também é destaque na produção de cinemas, é Roger Fontes. Ele ao lado de outros produtores. Além de autores, produtores e cinegrafistas, a cidade conta com dezenas de atores, que compõem diversos elencos de sucessos nos filmes produzidos na cidade.

O festival de Cinema irá continuar até o dia 16 nas cidades de Queimadas, Taperoá, Junco do Seridó, Soledade, Cuité e João Pessoa,  

O evento na cidade de Manaíra contou com a prresença de várias pessoas. A rede Record de Televisão, não consegiu chegar a tempo, apesar do evento já constar na sua programação. No entanto, e emissora virá, em breve ao município, para fazer uma reportagem sobre o cinema na cidade de Manaíra.

 

Fonte: Gilberto Angelo/Portal Vale do Piancó Notícias