Paraiba

11/06/2018 - 02:59:43

Agricultores desenvolvem 'fubá da paixão' artesanal, feito de milho resistente à seca

Produto de agricultura familiar foi lançado durante feira agroecológica em Campina Grande.

Autor: Redação do Portal

Um novo tipo de fubá foi lançado em Campina Grande, durante a 13ª Feira Regional de Produtos Agroecológicos, que aconteceu esta semana no Centro da cidade. O ‘Fubá da Paixão’ é feito artesanalmente a partir de um tipo de milho orgânico mais resistente à seca e sem agrotóxicos.

'Fubá da Paixão', proveniente das 'sementes da paixão', foi lançado nesta quarta-feira (6) durante Feira Agroecológica em Campina Grande (Foto: Érica Ribeiro/G1)

Segundo Emanoel Dias, assessor dos agricultores da Paraíba através da Assessoria e Serviços a Projetos em Agricultura Alternativa (AS-PTA), o nome ‘Fubá da Paixão’ surgiu porque as famílias agricultoras da Borborema vêm, ao longo dos anos, conservando e multiplicando uma diversidade de sementes crioulas (ou 'sementes paixão', como são localmente chamadas).

As sementes crioulas recebem esse nome de 'sementes da paixão' pelos agricultores da Borborema em forma de carinho à tradição mantida pelas famílias ao longo dos anos. São sementes de todo tipo: feijão, fava, jerimum, milho, macaxeira, "que resgatam e valorizam a cultura nordestina", diz Emanoel.

O assessor técnico dos agricultores da Paraíba explica que a diferença das 'sementes da paixão' para as outras é que os grãos são selecionados naturalmente, sem nenhuma modificação genética, e que elas são adaptadas às condições de chuvas e seca, por isso são mais resistentes.

Uma unidade de produção e beneficiamento do 'Fubá da Paixão' foi montada no Banco Mãe de Sementes, no município de Lagoa Seca, na Paraíba. Todo milho para a produção do novo tipo de fubá foi adquirido das famílias agricultoras guardiãs das sementes na região e, antes de armazenamentos, foram feitos testes de transgenia para que pudesse ser garantido um produto de qualidade, livre de transgênicos e agrotóxicos, afirmou Emanoel Dias.

"O 'Fubá da Paixão' é uma conquista para os agricultores de Remígio e da região da Borborema, que hoje são guardiões das sementes do produto, diz agricultora 

13ª Feira Agroecológica aconteceu na Praça da Bandeira, no centro de Campina Grande (Foto: Érica Ribeiro/G1)]

Anilda Batista, 48 anos, é agricultora da cidade de Remígio, no Agreste paraibano, e uma das guardiãs das ‘sementes da paixão’ que foi escolhida para fazer o lançamento do produto na barraca dela, durante a 13ª Feira Feira Regional de Produtos Agroecológicos em Campina Grande. Ela, que possibilitou ao público a degustação do ‘Fubá da Paixão’, afirma que é feirante agroecológica há 12 anos e que o novo alimento é uma conquista para os agricultores..

Anilda Batista contou ao G1 como preparar o cuscuz a partir do ‘Fubá da Paixão’, confira abaixo:

Receita de cuscuz de 'fubá da paixão'
Ingredientes

Anilda Batista é agricultora da cidade de Remígio, no Agreste paraibano, e uma das guardiãs das ‘sementes da paixão’ na região (Foto: Érica Ribeiro/G1)

2 xícaras de chá de fubá da paixão;
2 xícaras de cafezinho de água morna e sal a gosto.
Modo de preparo

Em um recipiente, misture o 'Fubá da Paixão', adicione gradativamente pequenas quantidades de água morna e continue misturando a massa sem parar, por 7 min, quebrando os grumos que porventura apareçam. Deixe a massa em repouso por 3 min. Coloque em uma cuscuzeira com água (fria, em temperatura ambiente) e deixe cozinhar no fogo por cerca de 6 min.

A agricultora diz que, após o cozimento, é preciso utilizar a criatividade. Ela afirma ainda que o cuscuz feito do ‘Fubá da Paixão’ combina com manteiga da terra ou com ovos da capoeira; e com carne de sol na nata ou queijo de coalho - produtos também produzidos pela agricultura familiar da região da Borborema.

A 13ª Feira Agroecológica  contou com uma estrutura de mais de 20 barracas, com cerca de 30 agricultores da Paraíba (Foto: Érica Ribeiro/G1)

Outros alimentos das 'sementes da paixão'
Atualmente, além do 'Fubá da Paixão', estão sendo produzidos também outros alimentos provenientes das 'sementes da paixão' como o xerém, o munguzá e o farelo. Os produtos estão sendo vendidos em todas as Feiras Agroecológicas organizadas pela Associação dos Agricultores e Agricultoras Agroecológicos do Compartimento da Borborema, a EcoBorborema.

A produção desses produtos derivados das 'sementes da paixão' começou em janeiro deste ano, depois de vários testes em cursos de tecnologia de alimentos de universidades da região, afirmou o assessor técnico da AS-PTA.

Para as pessoas que desejam adquirir os produtos, mas não sabem como e onde encontrar, a EcoBorborema disponibiliza os telefones 3361-9009 e 99692-0118 para encomendas e também para informar onde estão localizadas as 12 feiras agroecológicas espalhadas pelas cidades da região.

Em Campina Grande, há uma feira localizada no Museu do Algodão, próximo ao Açude Velho, no centro da cidade, onde todas as quartas-feiras há venda desses produtos.

‘Por um São João livre de transgênicos e agrotóxicos’
Com o tema ‘Por um São João livre de transgênicos e agrotóxicos’, a 13ª Feira Regional de Produtos Agroecológicos comemorou, nesta quarta (6), a semana nacional dos orgânicos e a semana do meio ambiente.

Além do lançamento do 'Fubá da Paixão', a feira fez distribuição de 300 mudas e contou com uma estrutura de mais de 20 barracas, com cerca de 30 agricultores da Paraíba, que estavam oferecendo ao público uma diversidade de hortaliças, frutas, ovos, leite e derivados, grãos e produtos beneficiados como doces, bolos, polpas de frutas, beijus, tapiocas e artesanato.

Ao todo, a feira contou com representantes da Rede de 12 Feiras Agroecológicas da EcoBorborema; da Tenda Agroecológica do Cariri Oriental; da Bodega Agroecológica do Cariri, Seridó e Curimataú e das Feiras Agroecológicas de Picuí, Cuité, Aroeiras, Ingá, Monteiro, Sumé, entre outros municípios.

A Feira Regional na Praça da Bandeira teve ainda uma programação cultural com apresentações de teatro com alunos da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) e apresentação do trio de forró Puxando o Fole. Durante toda a manhã, estudantes e professores estavam no local distribuindo materiais e dialogando com o público sobre alimentação saudável e as diferenças entre os produtos agroecológicos e orgânicos; e os riscos dos transgênicos e agrotóxicos.

Feira foi adiada devido à greve dos caminhoneiros
Promovida pela Comissão Estadual de Produção Orgânica – CPOrg-PB, a feira estava prevista para acontecer no último dia 30 de maio, mas em função dos acontecimentos desencadeados pela greve dos caminhoneiros nas rodovias da Paraíba, precisou ser adiada para esta quarta (6).

Verônica Moura, uma das coordenadoras, explicou que como a feira é um evento regional participam famílias agricultoras de mais de 20 municípios da Paraíba, então essas pessoas precisavam se deslocar das cidades até Campina Grande, mas pela falta de combustível para os transportes dos agricultores, o evento que é uma extensão do São João 2018 de Campina Grande, também foi adiado.

Fonte: Redação do Portal Vale do Piancó Notícias com G1